quarta-feira, 1 de abril de 2020

Porque é que os animais não conduzem? Pedro Seromenho

O casamento da gata

10 minutos a ler - em - concurso #10minutosaler

#10minutosaler
Passatempo no Instagram
Fotografa-te a ler. Fotografa alguém da tua família a ler. EM CASA, claro. Sem mostrar rostos nem marcas.
Publica a foto na tua galeria do Instagram, devendo o perfil da conta ser público.
Identifica o teu post com os hashtags  #10minutosaler #PNL2027 @pnl2027

Dia 16

terça-feira, 31 de março de 2020

Poemas que deveriam ter sido lidos no âmbito da semana da leitura

No âmbito da Semana da Leitura, a BE agendou uma sessão de poesia, em colaboração com o Grupo de Espanhol, dirigida aos alunos do 12º Ano. Infelizmente, não se pôde concretizar, atendendo à situação de pandemia. 

Partilhamos aqui os poemas que iriam ser lidos nessa sessão.

Semana da Leitura:
AMALIA BAUTISTA por
Maria del Mar Jordão,
Luís Serra e
Rita Fernandes


Cuéntamelo otra vez

Cuéntamelo otra vez, es tan hermoso
que no me canso nunca de escucharlo.
Repíteme otra vez que la pareja
del cuento fue feliz hasta lá muerte,
que ella no le fue infiel, que a él ni siquiera
se le ocurrió engañarla. Y no te olvides
de que, a pesar del tiempo y los problemas,
se seguían besando cada noche.
Cuéntamelo mil vezes, por favor:
es la historia más bella que conozco.




------------------------------------------------------------


Conta-mo outra vez

Conta-mo outra vez: é tão bonito
que não me canso nunca de escutá-lo.
Repete-me outra vez que o casal
do conto foi feliz até à morte,
que ela não lhe foi infiel, que a ele nem sequer
lhe ocorreu enganá-la. E não te esqueças
de que, apesar do tempo e dos problemas,
continuavam beijando-se cada noite.
Conta-mo mil vezes, por favor:
é a história mais bela que conheço.




La zorra y las uvas

No me interessa ya quererte tanto,
han dejado hace tiempo de gustarme
tus besos, tus caricias y tu voz,
ya no tiene sentido nuestra historia.
Otros hombres me rondam como locos
y es buen momento para locura.
Tus manos nunca han sido, tú lo sabes,
suaves como las uvas, y ya es hora
de que una zorra pueda despreciarte.



-------------------------------------------------------------------------



A raposa e as uvas

Não me interessa já querer-te tanto,
há muito tempo deixaram de agradar-me
os teus beijos, as tuas caricias, a tua voz,
já não tem sentido a nossa história.
Outros homens me cortejam como loucos
e é bom momento para loucura.
As tuas mãos nunca foram, tu o sabes,
suaves como as uvas, e já é hora
que uma raposa possa desprezar-te.




IDA Y VUELTA

Cuando nos dirigimos al amor
todos vamos ardiendo.
Llevamos amapolas en los labios
y una chispa de fuego en la mirada.
Sentimos que la sangre
nos golpea las sienes, las ingles, las muñecas.
Damos y recibimos rosas rojas
y rojo es el espejo de la alcoba en penumbra.

Cuando volvemos del amor, marchitos,
rechazados, culpables
o simplemente absurdos,
regresamos muy pálidos, muy fríos.
Con los ojos en blanco, más canas y la cifra
de leucocitos por las nubes,
somos un esqueleto y su derrota.

Pero seguimos yendo.
--------------------------------------------------------------------------------------------

Ida e Volta

À ida para o amor
vamos todos a arder,
com borboletas nos lábios
e no olhar uma chispa de fogo.
Sentimos o sangue a bater
nas têmporas, nas virilhas, no pulso.
Damos e recebemos rosas vermelhas
e vermelho é o espelho do quarto em penumbra.

Ao voltar do amor, murchos,
enjeitados, culpados
ou simplesmente absurdos,
vimos muito pálidos, muito frios.
De olhos desmaiados, mais grisalhos
e com os leucócitos nas nuvens,
somos um esqueleto e sua derrota.

Mas continuamos a ir, sempre.


 Al Cabo


Al cabo, son muy pocas las palabras
que de verdad nos duelen, y muy pocas
las que consiguen alegrar el alma.
Y son también muy pocas las personas
que mueven nuestro corazon, y menos
aún las que lo mueven mucho tiempo.
Al cabo, son poquíssimas las cosas
que de verdad importan en la vida:
poder querer a alguien, que nos quieran
y no morri después que nuestros hijos.






Ao Fim

Ao fim são muito poucas as palavras
que nos doem a sério e muito poucas
as que conseguem alegrar a alma.
São também muito poucas as pessoas
que tocam nosso coração e menos
ainda as que o tocam muito tempo.
E ao fim são pouquíssimas as coisas
que em nossa vida a sério nos importam:
poder amar alguém, sermos amados
e não morrer depois dos nossos filhos.

Dia 15

segunda-feira, 23 de março de 2020

Era uma vez uma lagarta

O pássaro na cabeça

Não abras este livro outra vez

A casa da mosca fosca

dia 8

A charada da bicharada

A velha e a cabaça

História de uma Gaivota e do gato que a ensinou a voar

Tio Lobo

A Água

Vivaldi

Toquinho - O pinguim

Muncuninha - A boneca

A arca de Noé

Cátia de França

Manuel de Bandeira

Vinicius de Moraes

https://youtu.be/cg8-2ZhA-Hc

terça-feira, 3 de março de 2020

segunda-feira, 2 de março de 2020

Clube de Cinema - O lado selvagem, Sean Penn


Visualização e debate com a docente Cristina Seixas.








Exposição de trabalhos de Educação Visual

Educação para as artes
Docente Manuel Casa Branca e alunos.











quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Intervalo Literário 14-02-2020

O Fábio leu um poema aos colegas!!!




Projeto - Corrupção à Lupa

As folhas da árvore anticorrupção acabaram de nascer.
Depois de uma sessão entre 11ºA e 9ºA onde os primeiros apresentaram aos segundos um sketch dos Gato Fedorento e através de um guião foram moderando o debate.
Num segundo momento escreveram slogans alusivos ao concurso Jogo Limpo contra a corrupção que foram pendurados na árvore da BE.










segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020